Orientadores do Mestrado Profissional participam do I Ciclo de Debates Entomológicos

Os orientadores do Mestrado Profissional em Defesa Sanitária Vegetal da UFV Eliseu José Guedes Pereira, Madelaine Venzon e Orlando Monteiro da Silva participam como debatedores I Ciclo de Debates Entomológicos sobre “Inovações no Manejo de Pragas”. Na próxima quinta-feira, dia 25, às 19h, o professor Eliseu discute o tema “Manejo de Resistência de Pragas”, juntamente com o professor Raul Narciso Carvalho Guedes, da UFV, completando o terceiro dia do evento online e gratuito, promovido pelo Departamento de Entomologia.

O segundo dia de debate contou com a colaboração da pesquisadora Madelaine Venzon, da Epamig. No dia 18 de junho, ela e o consultor técnico Joriel Araújo discutiram o tema “Controle Biológico em Cultivos Orgânicos”. A pesquisadora falou sobre controle biológico conservativo, estratégia com a qual ela trabalha. “Nessa modalidade de controle biológico são utilizadas estratégias de modificação do habitat para aumentar os inimigos naturais já existentes, dando melhores condições, como alimento alternativo e locais de abrigo” – explica.

O evento transmitido ao vivo pelo canal do Grupo Insectum no YouTube já alcançou mais de 1700 visualizações . Durante a transmissão, os participantes tiveram a oportunidade de interagir com os debatedores. Madeleine avalia que “foi um momento bastante dinâmico, houve muita participação do público. As perguntas foram selecionadas pelos moderadores de modo que o assunto fluiu e foi se complementando. Os moderadores estão de parabéns pelo cuidado e dinamismo”. Assista ao vídeo do Debate sobre Controle Biológico em Cultivos Orgânicos

No dia 02 de julho, quarto dia do evento, será a vez do professor Orlando Monteiro da Silva dar a sua contribuição. Ele participará do debate sobre “Defesa Sanitária Vegetal” com o professor Ricardo Siqueira da Silva, da UFVJM (Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri). Participe! As transmissões são sempre realizadas pelo canal do Grupo Insectum no YouTube.

Veja a programação completa do I Ciclo de Debates Entomológicos:

Por que ingressar no Mestrado Profissional em Defesa Sanitária Vegetal da UFV?

Até o dia 20 de julho, o Mestrado Profissional em Defesa Sanitária Vegetal da UFV estará recebendo inscrições de candidatos para o Processo Seletivo 2020/2. São oferecidas 25 vagas, destinadas a profissionais graduados que atuem nas ciências agrárias e em áreas afins, que tenham interface com a defesa sanitária vegetal. Mas afinal, por que ingressar no Mestrado Profissional em Defesa Sanitária Vegetal da UFV?

  • Excelência do Curso: A Universidade Federal de Viçosa (UFV) é pioneira no Brasil no oferecimento de cursos de pós-graduação na área de Ciências Agrárias. A instituição tem padrão de excelência nacional e internacional nas áreas de Entomologia, Fitopatologia, Ervas Daninhas e Defesa Sanitária Vegetal. O Mestrado Profissional em Defesa Sanitária Vegetal da nasceu neste contexto. Na última avaliação da CAPES, o curso esteve entre os melhores do país na área de Ciências Agrárias I. Saiba mais
  • Excelência da Equipe: A equipe de orientadores do Mestrado Profissional em Defesa Sanitária Vegetal da UFV é formada por professores com grande capacidade didática e que estão entre as maiores autoridades brasileiras nas suas áreas de atuação. Conheça os orientadores
  • Objetivos do Curso: Proporcionar a profissionais com formação e/ou que atuam em Ciências Agrárias e áreas afins, ampliação dos seus conhecimentos em Entomologia, Fitopatologia, Ervas Daninhas e Defesa Sanitária Vegetal, impulsionando sua carreira e atuação no mercado de trabalho.
  • Características do Estudante: O Mestrado é destinado a profissionais. Portanto, os candidatos ao curso devem ter vínculo empregatício (em empresas públicas ou privadas), serem empresários ou atuarem como autônomos.
  • Metodologia: O curso é estruturado de forma a permitir que o aluno concilie suas atividades profissionais com os estudos, possibilitando que o aluno aplique o conhecimento adquirido na sua atividade profissional. As disciplinas são oferecidas em módulos condensados semanais em cada semestre, no Campus da UFV, em Viçosa (MG).

Não perca esta oportunidade e inscreva-se no Processo Seletivo 2020/2. Os candidatos poderão se inscrever até o dia 20 de julho, apenas pela internet. Todas as informações sobre a seleção de candidatos constam nos links abaixo:

Pesquisadores da Embrapa, UFRB e UFV participam de defesa de dissertação do Mestrado Profissional

Pesquisadores de três instituições distintas, Embrapa Cerrados, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Universidade Federal de Viçosa (UFV) se reuniram virtualmente na tarde do dia 08 de junho, para a defesa de dissertação da mestranda Ana Paula Vicenzi, coordenadora de defesa sanitária vegetal do Instituto de Defesa Agropecuária do Estado do Mato Grosso (Indea-MT). Ana Paula defendeu a dissertação intitulada “Diagnóstico e propostas para melhoria da qualidade e eficiência da fiscalização de agrotóxicos no MT”, numa banca composta pela Dra. Elisângela Gomes Fidelis, da Embrapa, pela Dra. Leilane Silveira D’Ávila, da UFRB e pelo Dr. Emerson Medeiros Del Ponte, do Departamento de Fitopatologia da UFV.

Orientador da dissertação, o professor Emerson conduz estudos na área de epidemiologia e manejo de doenças de plantas com ênfase em controle de doenças fúngicas com fungicidas. Ele enaltece a composição da banca, com a presença majoritária de mulheres, e a interação entre os pesquisadores envolvidos: “Dois membros (Mulheres!) na banca com perfis complementares e conhecimento no tema. A Dra. Leilane é fitopatologista com experiência no tema epidemiologia e manejo de doenças de plantas com fungicidas. A Dra. Elisângela é entomologista, com experiência na área de ecologia de populações e análise de risco de pragas”.

O orientador ainda destaca que o trabalho defendido por Ana Paula é “exatamente o que se espera para um mestrado profissional, ou seja, além do cumprimento das atividades curriculares, o trabalho prático foi baseado em métodos científicos com aplicação direta para a melhoria das atividades de rotina da instituição onde ela atua. O componente científico teve base no desenho e aplicação de um questionário para autoavaliação dos fiscais e diagnóstico da fiscalização como um todo. A análise dos dados forneceu subsídios para a geração de um produto que é uma proposta de atualização de Manual de Fiscalização elaborado em consonância com os procedimentos e apoio institucional.  Durante a revisão bibliográfica, não foi encontrado trabalho similar disponibilizado publicamente. A proposta pode ser considerada como um modelo que poderá ser adotado por outras agências estaduais de fiscalização de agrotóxicos no Brasil”.

Satisfeita com o resultado da dissertação que defendeu e com a conclusão do Mestrado Profissional, Ana Paula ressalta o conhecimento trocado com colegas e professores do curso, e acrescenta que já está colhendo os frutos dos esforços despendidos nos últimos dois anos: “No momento que saímos de nossa zona de conforto e nos disponibilizamos a iniciar um curso de Mestrado Profissional, buscando apresentar como resultado final propostas visando à melhoria e à eficiência das atividades do órgão, independente do título recebido, já estamos alcançando progresso na vida profissional. Além disso, o título de Mestre servirá não apenas para usufruir do benefício de progressão horizontal prevista na lei de carreira do órgão em que atuo, mas ainda traz maior reconhecimento e credibilidade tanto no meio profissional quanto acadêmico”.

Mestrado Profissional em Defesa Sanitária Vegetal da UFV recebe inscrições de candidatos

O Mestrado Profissional em Defesa Sanitária Vegetal da UFV está recebendo inscrições de candidatos para o Processo Seletivo 2020/2. São oferecidas 25 vagas, destinadas a profissionais graduados que atuem nas ciências agrárias e em áreas afins, que tenham interface com a defesa sanitária vegetal.

O curso é estruturado de forma a permitir que o aluno concilie suas atividades profissionais com os estudos, possibilitando inclusive que o aluno aplique no seu local de trabalho o conhecimento adquirido nas aulas.

O Mestrado Profissional em Defesa Sanitária Vegetal tem duração de dois anos e as disciplinas são oferecidas em módulos condensados, durante encontros presenciais realizados no campus da UFV, em Viçosa (MG). Os alunos também recebem ensinamentos em ambiente virtual, ao longo dos semestres.

Além de utilizarem toda a infraestrutura da Universidade para as atividades de ensino e pesquisa, os alunos ainda contam com a orientação de professores da UFV. O corpo docente é composto na sua maior parte por professores dos departamentos de Economia Rural, Entomologia, Fitopatologia e Fitotecnia da UFV. O time de orientadores conta também com pesquisadores da Embrapa e Epamig.

Ficou interessado? Aproveite e inscreva-se. Os candidatos poderão se inscrever até o dia 20 de julho, apenas pela internet. Todas as informações sobre a seleção de candidatos constam nos links abaixo:

Orientadora do Mestrado Profissional concede entrevista a blog de jornalismo e divulgação científica

Referência na área de controle biológico de pragas em sistemas agroecológicos, a orientadora do Mestrado Profissional em Defesa Sanitária Vegetal da UFV Madelaine Venzon é presença frequente na mídia. Desta vez, ela concedeu entrevista ao blog de jornalismo e divulgação científica Planteia. Pesquisadora da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig) e coordenadora do Programa Estadual de Pesquisa em Agroecologia, “Madelaine busca soluções na natureza para uma agricultura menos dependente de químicos e moléculas sintéticas e mais saudável e segura para os seres humanos e demais organismos do planeta Terra”.

Fonte: planteia.com.br

Mestrado Profissional amplia possibilidades de atuação para egressos

 

O professor universitário Maykon Dias Cezario defendeu a sua dissertação no Mestrado Profissional em Defesa Sanitária Vegetal (MPDSV), no dia 14 de fevereiro e agora, celebra as novas possibilidades e os dois anos dedicados à obtenção do título na UFV: “O MPDSV com certeza foi uma das grandes oportunidades da minha vida. A possibilidade de cursar um mestrado de alto nível conciliando com as atividades profissionais foi o que pontuou mais. Além disso, contar com um corpo docente de muito gabarito e estudar na UFV contribuíram também em minha decisão”.

Natural da cidade de Timóteo (MG), localizada no Vale do Aço, “região industrial que se destaca na produção de aço”, Maykon se formou em Agronomia na Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes). “Tive uma origem simples, mas sou oriundo de uma família que sempre valorizou a educação”. Desde a graduação, a dedicação aos estudos faz parte do dia a dia do agrônomo. “Atuei com pesquisa nas áreas de fitotecnia, entomologia e fitopatologia, sempre conectado com a defesa sanitária vegetal, que sempre foi a área de meu maior interesse na agronomia. Estagiar em empresas de pesquisa agropecuária, como a EPAMIG, e marcar presença em eventos científicos faziam parte da minha rotina. Foram cinco anos de muita dedicação, que culminaram no prêmio de melhor aluno do curso, na cerimônia de colação de grau” – relembra com orgulho.

Concluído o curso superior em 2009, a sua primeira experiência profissional ocorreu no estado de Mato Grosso do Sul, onde ele trabalhou com grandes culturas em uma multinacional focada na produção de etanol e bioenergia. “No centro-oeste brasileiro conheci, exercitei e enfrentei os desafios da produção agrícola. Considero-me privilegiado em ter iniciado a carreira em uma região das mais desenvolvidas e tecnológicas do Brasil no que diz respeito à agricultura”.

Ao retornar ao seu estado de origem, Maykon descobriu uma nova área de atuação: “Quanto retornei a Minas Gerais, comecei a atuar na área educacional como professor universitário na rede privada, e me apaixonei pela academia. Já com experiência, fui fazendo carreira na área educacional e atualmente, coordeno dois cursos de graduação na Univale: Agronomia e Agronegócio. Represento ainda a região Vale do Rio Doce no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA), atuando como conselheiro da Câmara especializada da Agronomia e também no Conselho de Educação do CREA-MG”.

Mestrado Profissional

Experiente no comando da sala de aulas, em março de 2018, foi a vez de o professor assumir também a condição de aluno, ao ingressar no Mestrado Profissional em Defesa Sanitária Vegetal da UFV. Foram dois anos de dedicação que se encerraram no mês de fevereiro, período cujo maior desafio, segundo Maykon, foi “conciliar os estudos com as atividades profissionais em um mercado privado, que nos exige continuamente muita dedicação e entrega”.

Sob a orientação da pesquisadora Madelaine Venzon, Maykon pesquisou sobre controle biológico conservativo em café Conilon. “A busca de alternativas ao controle químico exclusivo para o manejo de pragas é primordial, e uma dessas possibilidades se trata da manipulação do ambiente visando ao controle biológico conservativo. No trabalho desenvolvido em minha dissertação, avaliou-se a eficiência da diversificação da vegetação através da introdução do ingá no controle biológico das principais pragas do café Conilon, sendo elas: bicho-mineiro, cochonilha-da-roseta, broca-do-café e ferrugem. O trabalho foi conduzido em lavoura comercial em Itueta (MG)” – descreve.

Concluído o mestrado profissional, Maykon já identifica benefícios que essa recente conquista lhe proporcionou: “Fazer o MPDSV sem dúvida já me beneficiou pelo universo de possibilidades que encontrei. A possibilidade de continuar trabalhando com pesquisas envolvendo café Conilon e beneficiando os produtores regionais; a possibilidade de dar sequência aos estudos com o doutorado; e atuar na área de defesa sanitária vegetal com maior propriedade, são os principais benefícios”.

Pesquisa desenvolvida no Mestrado Profissional resulta em depósito de patente no INPI

A pesquisa desenvolvida pela mestre em Defesa Sanitária Vegetal, Ana Paula Soares da Rocha, durante o Mestrado Profissional na UFV, resultou no depósito da patente “Composições ectoparasiticidas à base de Lithraea brasiliensis e uso”, no INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial). Ana Paula defendeu a sua dissertação sobre avaliação do potencial carrapaticida de plantas neotropicais em julho de 2019, e no início deste ano, realizou o depósito da patente buscando desenvolver uma formulação comercial a base de Lithraea brasiliensis para controle de carrapatos de forma mais eficiente e mais segura. “A pesquisa realizada durante o mestrado nos mostrou que o extrato dessa planta é muito eficiente no controle de carrapatos resistentes aos carrapaticidas disponíveis no mercado”.

Ana Paula explica: “Agora, as nossas pesquisas focarão em verificar se a molécula que apresentou atividade é segura do ponto de vista ambiental, com estudos de impacto em organismos não-alvo como insetos benéficos, predadores, polinizadores e organismos aquáticos. Também analisaremos a segurança alimentar dessa molécula, pelo fato de que este produto será usado principalmente nos rebanhos bovinos, temos que assegurar que após o uso, não haverá resíduos na carne e no leite”.

A pesquisadora destaca que “na produção agropecuária, a busca por ferramentas mais seguras e eficientes é constante. A cada dia cresce a demanda por alimento, e sabemos que essa produção deve atender a sociedade não só em quantidade, mas também em qualidade e de forma sustentável. Os extratos botânicos têm se mostrado promissores porque muitas plantas são ricas em substâncias bioativas, que são biodegradáveis e apresentam baixa ou nenhuma toxicidade a mamíferos e outros organismos não-alvo. Assim, nosso estudo pode levar ao desenvolvimento de um novo produto para controle de carrapatos de forma mais eficiente e mais segura”.

Além disso, a pesquisadora enfatiza o fato de sua pesquisa está buscando desenvolver um produto originado de uma planta do Cerrado brasileiro. “Temos o privilégio de ter em nosso país, em seus diferentes biomas, uma flora rica em biodiversidade, não encontrada em nenhuma outra parte do mundo. Logo, o número de moléculas existentes que ainda não foram pesquisadas é muito grande. O incentivo e apoio às pesquisas relacionadas à nossa biodiversidade devem ser contínuos, pois os compostos químicos presentes na nossa flora, além de serem fontes de novas moléculas para o combate de pragas e doenças na agropecuária, também dão origem a compostos usados em áreas como medicina, farmácia, nutrição, dentre outras. Tudo isso reflete em melhorias na qualidade de vida da sociedade”.

Parceria multidisciplinar

Engenheira Agrônoma, professora de Química no curso de Engenharia Agronômica da Faculdade Cidade de João Pinheiro, na cidade de João Pinheiro (MG), e instrutora de formação profissional rural do Sistema FAEMG/Senar, onde ministra treinamentos de aplicação de defensivos, Ana Paula ingressou no Mestrado Profissional em Defesa Sanitária Vegetal da UFV em agosto de 2017, onde construiu uma profícua parceria com outros pesquisadores.

Na UFV, ela contou com a orientação do professor Eugênio Eduardo de Oliveira, “que de prontidão abraçou a ideia” e a apresentou à pesquisadora Graziela Domingues de Almeida Lima. “Doutora em Biologia Celular e Estrutural e com grande conhecimento em bioquímica e farmacologia, o trabalho da Dra. Graziela foi essencial na condução dos bioensaios em organismos não-alvo e no tratamento e análise de dados; sendo também para mim, um exemplo de positividade e profissionalismo, o que me motivou muito durante todo o processo” – destaca.

Na UFMA (Universidade Federal do Maranhão), Ana Paula contou com a parceria da professora do Centro de Ciência e Tecnologia, Cláudia Quintino da Rocha. “Eu já conhecia o magnífico trabalho realizado pela professora Cláudia. Então, a convidei para ser minha coorientadora, gerando uma parceria entre a UFV e a UFMA. Ela é uma profissional renomada, com vasta experiência na área de Química de Produtos Naturais, atuando principalmente no isolamento, identificação de metabólitos secundários e avaliação farmacológica de extratos e compostos bioativos. Com o suporte de uma profissional com tamanha competência, nossos estudos químicos foram conduzidos de forma muito eficiente, fazendo com que conseguíssemos fazer toda a caracterização química do nosso extrato, além de descobrir qual era a molécula responsável pela bioatividade”.

Além do suporte na parte metodológica, Ana Paula acrescenta que a atuação das duas pesquisadoras, Graziela e Cláudia, “foram imprescindíveis em todo o processo de elaboração e acompanhamento dos tramites do depósito da patente”. Como Ana Paula resume: “este foi um trabalho desenvolvido por dois agrônomos, uma química e uma bióloga; que nos mostrou que a parceria entre profissionais de diferentes áreas gera resultados muito positivos para toda sociedade”.

Além da pesquisa voltada para o uso do extrato da Lithraea brasiliensis na agropecuária, as pesquisadoras pretendem avançar ainda mais nos experimentos: “Estamos testando esse extrato em células cancerosas. Os primeiros resultados já apontaram uma possível atividade em determinados tipos de células, portanto, mais pesquisas serão realizadas a fim de confirmar esses resultados”.

Ingresse no Mestrado Profissional em Defesa Sanitária Vegetal da UFV

O Mestrado Profissional em Defesa Sanitária Vegetal da UFV está recebendo inscrições de candidatos para o Processo Seletivo 2020/1. São oferecidas 18 vagas, destinadas a profissionais graduados que atuem nas ciências agrárias e em áreas afins, que tenham interface com a defesa sanitária vegetal.

Por que ingressar no Mestrado Profissional em Defesa Sanitária Vegetal da UFV?

  • Excelência do Curso: A Universidade Federal de Viçosa (UFV) é pioneira no Brasil no oferecimento de cursos de pós-graduação na área de Ciências Agrárias. A instituição tem padrão de excelência nacional e internacional nas áreas de Entomologia, Fitopatologia, Ervas Daninhas e Defesa Sanitária Vegetal. O Mestrado Profissional em Defesa Sanitária Vegetal da nasceu neste contexto. Na última avaliação da CAPES, o curso esteve entre os melhores do país na área de Ciências Agrárias I. Saiba mais
  • Excelência da Equipe: A equipe de orientadores do Mestrado Profissional em Defesa Sanitária Vegetal da UFV é formada por professores com  grande capacidade didática e que estão entre as maiores autoridades brasileiras nas suas áreas de atuação. Conheça os orientadores
  • Objetivos do Curso: Proporcionar a profissionais com formação e/ou que atuam em Ciências Agrárias e áreas afins, ampliação dos seus conhecimentos em Entomologia, Fitopatologia, Ervas Daninhas e Defesa Sanitária Vegetal, impulsionando sua carreira e atuação no mercado de trabalho.
  • Características do Estudante: O Mestrado é destinado a profissionais. Portanto, os candidatos ao curso devem ter vínculo empregatício (em empresas públicas ou privadas), serem empresários ou atuarem como autônomos.
  • Metodologia do Curso: O curso é estruturado de forma a permitir que o aluno concilie suas atividades profissionais com os estudos, possibilitando que o aluno aplique o conhecimento adquirido na sua atividade profissional. As disciplinas são oferecidas em módulos condensados semanais em cada semestre, no Campus da UFV, em Viçosa (MG).

Não perca esta oportunidade e inscreva-se no Processo Seletivo 2020/1. Os candidatos poderão se inscrever até o dia 03 de fevereiro de 2020, apenas pela internet. Todas as informações sobre a seleção de candidatos constam nos links abaixo:

Encontro presencial do Mestrado Profissional reúne estudantes de seis estados na UFV

Estudantes dos estados do Amapá, Bahia, Maranhão, Minas Gerais, São Paulo e Tocantins, que ingressaram no Mestrado Profissional em Defesa Sanitária Vegetal em 2019, tiveram a oportunidade de visitar as principais instalações da UFV e conhecer um pouco sobre a história da Universidade, durante o encontro presencial realizado de 23 a 27 de setembro, em Viçosa (MG).

O assistente técnico agronômico Lisandro de Quadros participou da excursão que o grupo fez pelo Campus Viçosa e se surpreendeu com a infraestrutura: “Espetacular. Salas, banheiros, jardins, ruas, restaurantes, tudo muito limpo e organizado. Entendi a grandeza da instituição. O que nos salta aos olhos é que tudo funciona, me dá orgulho de dizer que sou aluno da UFV”.

Já a engenheira agrônoma Hellen Patrícia Dantas Deifeld, que também participou do encontro, destaca que “a UFV é uma universidade que possui uma estrutura muito boa, com seus laboratórios bem equipados e prédios de diversas áreas, que oferece aos alunos tudo o que possa ser necessário para o aprendizado e para outras necessidades, como área de lazer, supermercado e alojamento. O Campus é lindo e apaixonante, a cada passo nos deparamos com uma beleza diferente, o que o torna um lugar prazeroso de se estar”.

Durante o encontro de setembro, além de explorarem o Campus Viçosa, os alunos participaram de aulas presenciais das disciplinas: Barreiras Técnicas ao Comércio Internacional, ministrada pelo professor Orlando Monteiro da Silva; Epidemiologia Aplicada à Defesa Vegetal, ministrada pela professora Wânia dos Santos Neves; e Redação Técnico-Científica em Defesa Sanitária Vegetal, ministrada pelo professor Marcelo Coutinho Picanço.Hellen avalia que Barreiras Técnicas ao Comércio Internacional é uma disciplina necessária a todos profissionais da sua área de formação: “Todo engenheiro agrônomo deveria ter noção sobre o comércio internacional e suas barreiras técnicas. Essa disciplina ampliou nossos conhecimentos, sendo passada de forma simples, clara e objetiva. Não tinha muita noção e pensava que era algo muito difícil, mas agora, depois da aula, meu pensamento sobre o assunto mudou completamente”.

A disciplina também ampliou a compreensão do aluno Lisandro: “Um tema muito atual, de grande relevância para no cenário mundial. Assuntos como globalização, balanças comercial e a atuação e contribuição das nações nesse contexto são muito esclarecedoras, sendo possível ao aluno entender com clareza o comércio entre os países e a importância dessa relação entre as nações. Temáticas que até então eram desconhecidos, hoje consigo entender melhor” – avalia o técnico agronômico da empresa Agroconsulti Consultoria Agronômica, na cidade de Luis Eduardo Magalhães (BA).

Atuando como responsável técnica na empresa Beto Dantas Engenharia, na cidade de Chapadinha (MA), Hellen avalia que “o Mestrado Profissional nos possibilita conhecer pessoas de diferentes estados e com diferentes áreas de atuação, o que é ótimo. Fiz boas amizades e pessoas que quero levar para minha vida toda. Os professores são os melhores das áreas, nos passando os assuntos da forma mais clara possível. É muito satisfatório poder ter aula com autoridades sobre assunto, autores e editores de livros e artigos que utilizamos para ampliar nossos conhecimentos”.

 

 

Professor do Mestrado Profissional ministra palestra no Senado Federal

Atendendo ao convite da Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado Federal, o professor Orlando Monteiro da Silva ministrou uma palestra durante a audiência pública sobre Comércio Internacional Agropecuário, realizada em Brasília (DF), no dia 25 de setembro. O professor do Mestrado Profissional em Defesa Sanitária Vegetal da UFV discorreu sobre “A contribuição da academia e dos institutos de pesquisa ao dilema da exportação: os estudos e a atuação da academia sobre a pesquisa agropecuária e seus impactos nas exportações e nas cadeias do agronegócio”.

Durante a sua palestra, o professor Orlando ressaltou o importante papel exercido pela Universidade Federal de Viçosa no desenvolvimento da agricultura brasileira, com destaque para a formação de recursos humanos e o seu pioneirismo na criação dos dois primeiros cursos de pós-graduação do Brasil, na década de 1960. “A UFV possui, atualmente, 67 cursos de graduação (que já formaram mais de 70 mil profissionais) e 80 cursos de pós-graduação (produzindo mais 12 mil dissertações de mestrado e mais de 4 mil teses de doutorado); e possui ainda o maior número de programas de pós-graduação do setor agropecuário com nota máxima na Capes”.

No que se refere ao ensino de pós-graduação, o professor destacou também o pioneirismo e a qualidade do Mestrado Profissional em Defesa Sanitária Vegetal da UFV, cujas dissertações têm contribuído significativamente na área de defesa sanitária vegetal. Além disso, ele ressaltou a transferência de tecnologia, extensão rural e os avanços promovidos pela instituição no desenvolvimento da agropecuária brasileira em cultivos agrícolas e produção animal.

Na ocasião, também foi relatada a contribuição à sociedade brasileira de vários órgãos da UFV, como: o Instituto de Biotecnologia (Bioagro), Instituto de Políticas Públicas e Desenvolvimento Social, Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia Animal, Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia Planta-Praga, Centro Nacional de Treinamento em Armazenagem, Centro Tecnológico de Desenvolvimento Regional (CENTEV), Incubadora de Empresas, Parque Tecnológico e a Central de Empresas Juniores.

Tais pontuações foram feitas na 2ª Mesa Tema da audiência pública sobre Comércio Internacional Agropecuário, para a qual foram convidadas as seguintes instituições: Centro de Estudos do Agronegócio/FGV, Escola Superior de Agricultura/USP, UFV e IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada).

O professor Orlando foi o representante da UFV. Vale destacar que ele é professor titular da instituição, com mestrado pela UFV e doutorado pela North Carolina State University. O professor Orlando atua na pesquisa, ensino e extensão, na área de barreiras não-alfandegárias e comércio internacional, demanda e interdependência de mercados, métodos quantitativos em economia e comércio internacional de commodities agrícolas.